Passear com Palavras em Passos de Poesias
Um dia, de repente, comecei a recitar versos conforme caminhava e aquilo acalmou minha alma.
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos


SONETO A SÃO GREGÓRIO MAGNO E O BRASIL

O comum nestes fornos, a sujeira!
Da peleja que arranca fé da terra,
calorífero mal que a tudo encerra,
as vertigens de queda, bem não cheira.

Gente morna o bem quer, mas sem bandeira,
nem se importam com quem sem saber erra,
pois, mais claro problema, nesta guerra,
ficam calmos à espera da lareira.

O vencer, eles querem, mas sem lados,
e de um jeito que a fuga fosse fácil
àquele que vencer, emparelhados.

Gente morna, que ao mal são namorados,
porque a luta, só brigam contra o frágil,
no final querem ser "Os Coroados!!!".
Udo
Enviado por Udo em 17/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poeta Udo - http://udo.recantodasletras.com.br/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários