Passear com Palavras em Passos de Poesias
Um dia, de repente, comecei a recitar versos conforme caminhava e aquilo acalmou minha alma.
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos


SONETO DA GRAVURA NO MEU PEITO
                     ao meu Pai Celso Noburo Udo
Foi você quisto pai d'alma despida,
que tirou da visão toda neblina,
nosso não conhecer, pouca retina,
a mente que dormia hoje fundida.

Aprendi o que é família, o que combina,
são os anos no tempo, alvo da vida,
caminho e caminhada concedida
nos trechos, sua espiga alma germina.

De verdade, o volante, asas e cura,
gratidão no hoje exponho o coração,
que vibrante no acorde a benzedura.

Assim mostro a espada e armadura,
dobro os joelhos por Alta oração,
este pai no meu peito, esta gravura.
Udo
Enviado por Udo em 11/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poeta Udo - http://udo.recantodasletras.com.br/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários