Passear com Palavras em Passos de Poesias
Um dia, de repente, comecei a recitar versos conforme caminhava e aquilo acalmou minha alma.
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos


SONETO DO ESPELHO DO PRÓPRIO EU

O excelso, mudo olhar, de quem o chama,
vendo su'alma toda, munda, esmola,
de costa p'ra o finito, o fim controla
e no eterno tal fé, as graças clama.

Estão se vendo enquanto o dó assola
a lembrança do espelho ao pé da cama
na única pessoa que proclama,
vendo-se neste instante e se consola.

Ei-lo de si chamante em puro acorde
na música de fundo, toca a vida,
e se lembra de tudo, nada o acorde.

Traçando como foi a comovida
arte em mais que viver e que transborde
de um preclaro existir d'alma despida.
Udo
Enviado por Udo em 03/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poeta Udo - http://udo.recantodasletras.com.br/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários