Passear com Palavras em Passos de Poesias
Um dia, de repente, comecei a recitar versos conforme caminhava e aquilo acalmou minha alma.
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos


SONETO DO INFINITO DEMAIS

Quando a gente anoitece tristemente
e infinito demais nos apequena,
sobra este cobertor, que é uma pena,
pois arranca a prisão em si latente.

Quando já noite, um só vazio de frente,
no supino da dor franca e tão plena,
nos encontra agachados e condena
a agonia mortal do eternamente.

Reconhece você a que solidão
remonta cada vida em si marcante
e com outras, sentir a colisão.

A vida, de repente, co' elisão,
recolhe aquele eterno contrastante,
vendo o sem-fim, mortal, na humana ação.
Udo
Enviado por Udo em 11/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poeta Udo - http://www.udo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários