Passear com Palavras em Passos de Poesias
Um dia, de repente, comecei a recitar versos conforme caminhava e aquilo acalmou minha alma.
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos


SONETO DO HIATO EM DITONGO

Quando o peito não reza co'alma o hiato
do que foi e do querer então ter sido,
e sendo sentinela, um dom vivido,
mesmo que sinta nela amor de fato.

O perfume que engana o rico olfato
desta luz que alumia o beijo crido
e somente na dúvida: o perdido,
ele faz dois caminhos: meu retrato.

Sou mais só perto destes tão sozinhos
e uma voz cruza assim este meu verso
p'ra que eu me desvencilhe dos espinhos.

E religue o dorido hiato perverso
em ditongos do amor, melífluos vinhos,
e caso nisto eu morra, achei o universo.
Udo
Enviado por Udo em 26/04/2017
Alterado em 27/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poeta Udo - http://www.udo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários