Passear com Palavras em Passos de Poesias
Um dia, de repente, comecei a recitar versos conforme caminhava e aquilo acalmou minha alma.
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

CERTA VEZ
Certa vez, caminhando pelo mar,
Eu me encontrei com o tempo
E ousei fitar os olhos
Daquele que dorme voando.

Sua vestimenta dourada e olhos de fogo
Traz consigo todas as falas de todas as gentes
E sente ciúme eterno do homem
Pelo poder natural daqueles que morrem:
Em pouco tempo ser eterno para aqueles que ficam.

De repente, pensou o vento:
Que posso eu contra o Tempo
Enquanto eu sopro barcos e caravelas,
Ele é o maestro que marca o passo?

Quando me peguei em mim sozinho,
Vi até o vento na solidão de um sopro,
E mirando seu pensamento perdido
Lhe falei das pipas que ornaram os céus
Pelos seus bem-vindos sopros.

Primeiramente, que minha vida não é só minha,
Mas de uma cadeia de necessidades e de coisas
Que se eternizaram no milagre irresistível de cada dia.
E estar vivo para interpretar o mundo,
É como se sentir um observador
Com a divina missão de um templo de carne e osso,
Onde Deus fez daí sua morada e instrumento,
Para sentir o mundo como se fosse a derradeira vez.
Udo
Enviado por Udo em 29/11/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poeta Marcelo Udo - http://recantodasletras.uol.com.br/autores/udo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários