Passear com Palavras em Passos de Poesias
Um dia, de repente, comecei a recitar versos conforme caminhava e aquilo acalmou minha alma.
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Carta de Amigo - Carlos Drummond de Andrade
Caro itabirano do mato dentro,

Estou hoje com pés gelados nesse início de inverno de 2008 e acabei lembrando de você, amigo. Lembrei-me primeiramente porque na matéria do amar é você que me disse que amar se aprende amando e até no amor natural você explicitou a mais doce obra de Dante.

Decidi assim viver como amar e vivendo aprendi a viver como amando aprendi a amar. Naturalmente, é muito Amor para se ter. Entretanto, todo o amor que ora se tenha, pouco é para o futuro. Talvez é ai que entra seu menino, o utrajovem João Brandão.

Como uma vez você disse, somos contemporâneos de incríveis como Shakespeare, Ovídio, etc. Mas é de você, caro Amigo, que sinto o maior afeto por ter-me mostrado sua pedra que estava lá no seu caminho como um problema matemático que todas as pessoas possuem.

É amigo, sua obra é mesmo muito bonita e lendo-a é que quis ler a história de Robson Crusoé.

Abraços para o maior dos Itabiranos!!!
Udo
Enviado por Udo em 18/06/2008
Alterado em 18/06/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poeta Marcelo Udo - http://recantodasletras.uol.com.br/autores/udo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários